31 de agosto de 2011

CASO MÉDICO-GRAMATICAL

(Dedicado aos colegas que passaram pelos bancos do Instituto de Letras da UFF e aos meus muitos alunos da extinta e saudosa FACEN.)


O sujeito resolveu procurar socorro médico, porque estava com um acento grave atravessado nas cordas vocais, o que não lhe permitia emitir fonemas sonoros.
O médico que o atendeu, depois de examinar todo o seu conteúdo sintagmático, opinou que o problema era mais de acento agudo, pela posição do objeto direto no local. Mas, se era um objeto direto, como ter problemas com acento agudo, foi o que o sujeito pensou.
Como o médico alegou que, no momento, estivesse cheio de interjeições para entender, mandou que o enfermeiro fizesse sua classificação sintática prévia:
- Nome completo?
Com dificuldade, falou:
- Sujeito Composto Posposto ao Verbo.
O enfermeiro, cuja formação não era lá essas coisas, para abreviar, anotou apenas: Sujeito Simples, o que, talvez, tenha gerado as orações consecutivas posteriores, com todas as implicações fraseológicas.
- Onde você mora?
- Num conjunto de orações coordenadas e subordinadas de um texto antigo.
- Barroco ou romântico?
- Realista.
E continuou fazendo questões de retórica, sendo respondido por frases curtas, ora verbais, ora nominais, com alguns anacolutos e hipérbatos. O Sujeito Composto não estava concordando muito com aquele questionário prévio, pois também tinha suas interjeições a resolver.
Ao fim de um longo período composto, cheio de orações intercaladas, quando o médico voltou, já encontrou o sujeito quase oculto. Resolveu, na tentativa de remover o acento e para reanimá-lo, aplicar-lhe uma dose de hiperbibasmo, seguida de hipérbole equilátera, que não surtiram efeito imediato na sintaxe posicional. O colega que veio ajudá-lo, sem concordâncias e subordinações, disse que este último recurso, da área de matemática, não se aplicava ao caso sujeito e viu aí uma mesóclise na altura do núcleo do predicado, que deveria ser extraída com raiz etimológica e tudo.
Passaram, então, os dois profissionais a pospor e antepor pronomes oblíquos ao predicado nominal, sem obter grandes regências. Nesse momento, o enfermeiro sugeriu que tentassem uma prosopopeia camoniana. Ambos olharam para ele e sorriram debochadamente, como se não acreditassem em tropos tão antigos. Nem mesmo acreditavam em metáforas machadianas ou metonímias modernistas, quanto mais em tal prosopopeia. A solução deveria ser uma prótese radical: aplicação de doses maciças de antonomásias e onomatopeias do receituário concretista.
O pobre Sujeito Composto estava reduzido apenas a uma locução vocabular, perigando chegar a sujeito inexistente, quando começaram a conjugar verbos irregulares, transitivos diretos e indiretos em sua estrutura morfológica. Sem sucesso, resolveram, então, removê-lo para uma análise sintática estruturalista, com achegas funcionalistas, na tentativa de reanimar sua carga semântica.
Nada dava certo! É que os médicos não tinham formação gramatical tradicional, nem mesmo transformacional, e eram incapazes que avaliar os sintagmas e as sequências que meteram o tal Sujeito Composto em problemas chomskyanos, que não seriam resolvidos jamais por semantemas e morfemas, todos já arcaicos para o caso.
Foi quando resolveram chamar um velho professor de gramática que, olhando a estrutura frasal apresentada, deu a solução:
- Retirem a crase! O sujeito pode até ser composto e posposto ao verbo, mas nunca se servirá de crase, bando de solilóquios retóricos, apedeutas linguísticos!
Os médicos, depois se apurou, eram neologistas, ainda aferéticos, sem registros nos vocabulários ortográficos e na gramática formalista. E estavam trabalhando naquele ambiente fonológico, sem as devidas exegeses ou propedêuticas. Vá lá se saber o quê! Processados, foram condenados a ser incluídos no rol do Appendix Probi.
 

Imagem em sebodomessias.com.br.

Um comentário:

  1. Ri muito mas depois caí em depressão: nada sei da Gramática. Falar é fácil mas concordar é que são elas!

    ResponderExcluir