21 de maio de 2016

ESSA NOSSA RICA LÍNGUA III - XINGAMENTOS E IMPRECAÇÕES DA CARABUÇU DOS MEUS DIAS DE MENINO


Cada terra com seu uso, cada roca com seu fuso. O dito popular já define bem que cada lugarejo, por menorzinho que seja, tem lá seu jeito todo especial de viver, sobreviver e levar a vida adiante.
Embora tenha vivido em Carabuçu, minha terra natal, apenas até meus dezessete-dezoito anos, tenho boa parte daquilo por que me entendo marcado por esse tempo de formação. São as tais raízes, que, por vezes, teimam em aflorar à terra antiga da minha memória e produzir certos textos que divido aqui com meus amigos.
Assim, de vez em quando, sou assaltado por algum tipo de reminiscência que imagino ser interessante dividir com os leitores. Sobretudo aquelas de cunho linguístico, que tão bem caracterizam uma comunidade. Quem, por exemplo, nunca se notou estranho em meio diverso do seu apenas por seu modo de falar, por uma expressão própria, um sotaque diferente? Ou que não tenha reparado isso em pessoas que se intrometeram no seu ambiente?
O Brasil, esse país de dimensões sentimentais, tem uma unidade linguística invejável, malgrado sua extensão territorial. Com poucas exceções, principalmente no âmbito do vocabulário, nos entendemos perfeitamente de norte a sul, de leste a oeste, sem maiores sobressaltos.
Já aqui no blog trouxe alguns textos em que tentei resgatar a maneira peculiar por que usávamos a nossa rica língua, à época em que lá vivi, anos 50 e 60 do século passado.
Hoje trago um aspecto bem especial deste mesmo falar, focado nos xingamentos e imprecações comuns àquela altura, na nossa vilazinha perdida no noroeste do Estado do Rio de Janeiro. Apesar do caráter fortemente rural, simplório e conservador, Carabuçu também tinha – e deve ter até hoje! – suas raivas, seus aborrecimentos, suas contrariedades, e os verbalizava com jeito muito peculiar. Claro que muitos dos vocábulos e expressões aqui arrolados são comuns a outros territórios linguísticos, já que somos frutos da mesma colonização, que, na bagagem dos seus feitos e malfeitos, como toda e qualquer colonização porta, deixou uma língua comum em todo o nosso território.
Organizo por intenções de uso as principais formas que utilizávamos para xingar e imprecar.
RAIVA – Para expressar raiva diante de um fato adverso ou de um aborrecimento, era comum usarmos:
Capeta! Cabrunco! Diabo! Saci! Corisco! Raio! Merda! Bosta! Desgraça! Desgraceira! Desgrama! Cacete! Praga! Preca! Caralho! Puta que pariu!
Desses, cabrunco seja talvez o termo que mais identificava o falante de Carabuçu, embora fosse também empregado em outras áreas próximas. Parece-me variação da forma carbúnculo, doença grave que acomete sobretudo bovinos, ovinos e caprinos. Entretanto, no dicionário Caldas Aulete, sua origem é dada como desconhecida. Michaelis não o registra, bem como o Aurélio.
Preca, por exemplo, não está dicionarizado e equivale a praga.
Não era de muito uso o vocábulo caralho, que o consenso julgava extremamente pesado do ponto de vista moral.
Nesses xingamentos, não raro se reforçava a expressividade com o emprego de que, comum no uso geral da língua: Que preca! Que praga! Que merda!
ESPANTO – Para expressar espanto diante de algum fato inusitado, imprevisto, sempre ocorriam formas como Que isso?! Pelo amor de Deus! Cruz-credo! Cruz em credo! Desconjuro! Desconjuro credo! Nossa Senhora! Meu Deus! Meu Deus do céu!
OFENSA – Usavam-se várias palavras e expressões para ofender a pessoa com quem se estivesse discutindo rispidamente.
Feadazunha! Feadaputa! Filhote de cruz-credo! Filhote de saci! Estropício! Encravo! Cuiudo! Roncolho! Rendido! Arrombado! Safado! Moleque! Pilantra! Atraso de vida! Desgramado! Desgraçado!
Feadazunha ou fidazunha correspondem a filho das unhas e são formas eufemísticas de filho da puta, às vezes pronunciado feadaputa ou fidaputa, raramente usadas diante do outro por serem extremamente ofensivas. E também porque quase todos se conheciam, bem como as mães de quase todo mundo. O xingamento filho da puta, assim dito com todas as letras, poderia provocar até morte, por aquela altura. Entretanto a forma mais eufêmica de fazer este tipo de xingamento era chamar o outro de Filho da mãe!, que ofendia só um pouquinho. Como se fosse possível!
As formas cuiudo, roncolho, rendido e arrombado têm conotação sexual e eram dirigidas aos homens. Desnecessário esclarecer a que referem tais xingações. As formas safado e moleque, se aplicadas a homens feitos, também eram muito ofensivas.
Atraso de vida era expressão que denotava pessoa sem iniciativa, dessas que atrapalham o progresso alheio, e equivalia a encravo, estropício.
Criança arteira, desobediente ou enjoada, recebia do adulto, até mesmo dos pais, xingamentos mais brandos, como: Bruaca! Cagança! Entojo! Entojado(a)!
Ao homem também se ofendia com as formas Corno! Chifrudo! Galhudo!, como a levantar suspeitas sobre a fidelidade da esposa. Quanto à dúvida sobre sua masculinidade, aplicavam-se Mariquinha! Mulherzinha! Frouxo! e Veado!
Caso, no entanto, a referência fosse ao aspecto físico – evidentemente, ninguém elogia -, eram comuns as formas: Caolho! Zarolho! Fiação trocada!, se o problema fosse o estrabismo. Se se tratasse das feições, aí usavam-se: Cara de motor de arranque! Cara de cu! Os que manquitolavam ou tinham problemas na marcha, com frequência eram identificados como Deixa que eu chuto! Aqui tá alto, aqui tá fundo! Esacabufado!
Porco! se aplicava aos que eram descuidados com a higiene pessoal. Aos teimosos ou ignorantes, aplicavam-se: Burro! Jumento! Besta! Besta quadrada! Mula! Tapado!
Por vezes, acrescentava-se a esses xingamentos, para reforçar a carga semântica negativa, a palavra empacado/empacada: Mula empacada! Burro empacado!
O que tinha caráter suspeito era sempre identificado como Boa bisca!, com evidente ironia no adjetivo boa.
Boca suja! Boca de cumbaca! e Língua de trapo! aplicavam-se aos que proferiam palavrões ou eram indiscretos e não mantinham segredos alheios.
Para ressaltar o caráter avarento, utilizavam-se expressões de sentido humorístico, como: Mão de vaca! Munheca de porco!, bem como as palavras Miserável! Miserento! e Pão-duro!
Ofensas raciais eram sobretudo Negro safado! Tição! Branquelo! e Branco azedo!
Banana! Lesma! Preguiça! e Preguiçoso! serviam para ofender os que não demonstravam muito entusiasmo por realizar trabalhos e afazeres. Os que eram vagarosos na realização de algo eram conhecidos como marcha lenta.
É bom registrar que as palavras desgraça desgraçado tinham sentido bastante negativo, por sua perspectiva religiosa – “aquilo ou aquele que estavam sem a graça de Deus”. Usadas mais raramente, por isso mesmo, e denotando evidente raiva do falante, eram à miúde substituídas por desgrama desgramado.
Com frequência, muitos desses xingamentos eram antecedidos por seu/suaSeu miserável! Seu banana! Sua besta quadrada! Sua mula empacada!

Imagem em robsonpiresxerife.com.


VOCIFERAÇÃO – Aqui arrolarei as várias frases que eram proferidas contra o outro, a fim de que ele se afastasse e parasse de importunar. Começo pelas de sentido mais brando, até as mais ofensivas.

Vai peidar n’água pra fazer borbulha!, cuja última palavra era pronunciada borbolha ou bibolha.
Vai caçar preá!
Vai ver se eu estou na esquina!
Vai caçar (procurar) sua turma!
Vai te catar!
Vai à merda!
Vai cagar! / Vai cagar no mato!
Vai pro raio que o (te) parta!
Vai pro diabo que o (te) carregue!
Vai pro inferno! Vai pro meio do inferno! Vai pro quinto dos infernos!
Vai tomar no cu! / Vai tomar na olhota do seu cu!

Evidentemente que essas duas últimas frases ofendiam gravemente e, não raro, provocavam as famosas vias de fato.

OFENSAS INFANTIS - As crianças, também frequentemente, punham-se a implicar mutuamente, gerando, por vezes, brigas. Havia algumas formas de provocação utilizadas nas preliminares dessas contendas.

Por vezes, um ofendia o outro chamando-o de Mané! ou Zé Mané! O menino que não jogava bola muito bem era chamado de Pereba!*, depreciativo que se aplicava também a adultos. 

Frases mais elaboradas eram essas que ocorriam em forma de poesia cantada:

Zé Prequeté / tira bicho do pé, / pra comer com café!
Ou esta outra em que se introduzia o nome da criança:
João, / catibiribão, / pega a matutagem / do firinfinfão!
José, / catibiribé, / pega a matutagem / do firinfinfé!

Ainda que brandas, as ofensas dessas frases quase sempre provocavam desavenças, brigas e trocas de mal por algum tempo.

Como os amigos leitores podem perceber, sabíamos xingar com certa criatividade, às vezes produzindo expressões engraçadas, que atenuavam um pouco a carga semântica negativa que elas portassem, de modo que a ofensa também não ofendesse tanto assim. Afinal de contas, a vila era muito pequena, e os possíveis desafetos iriam encontrar-se com bastante frequência, senão no bar do Chambão, para uma partida de sinuca, na venda do Argemiro, para uma roda de prosa em volta do vidro de pé de moleque.

É bem verdade que esses sãos os principais vocábulos e expressões deste tipo de uso que me ocorreram. Espero que meus conterrâneos possam enriquecer este texto com sua contribuição.

---------- 
* Lembrança do amigo Marcelino Medeiros, que confessou ser assim qualificado, como, aliás, eu também era.

16 de maio de 2016

UMA HISTÓRIA


me permitam uma hitória:           
                         
certa vez zé da farmácia
com sua frase atropelada
receitava a um reumático
uma nova injeção
que aplicada com jeitinho
impedia que o reumatismo
doesse mais que ela mesma.
e ainda gavava a ciência
que tinha feito a magia:
que enquanto doesse a dita
ninguém lembrava a doença.

outra vez a um neném
receitou supositório
supondo que a mãe zelosa
soubesse onde enfiá-lo.
como não tivesse resposta
disse: "introduza no ânus"
ao que a mãe caipira
informou-lhe que o neném
"bem nem tinha oito meis
que dirá já tê um ano",
e vendo que a nossa língua
nem sempre é a do ouvinte
repetiu-lhe outra vez
piscando os olhos nervosos
mas a mãe não entendeu
e ele não vendo jeito
disse sem mais um falsete:
"é pôr no cuzinho dele."

e quando o zé não curava
e se mandasse a doutor
podia o crente cuidoso
desconfiar de tal dor
pois se o zé tirava o corpo
era melhor que o doente
cuidasse bem do que tinha
para não virar defunto
e receber de presente
vela terço e ladainha.

mas houve um dia que o zé
enjoou com tudo isso
xarope chá de carqueja
elixir e vitaminas
tosse pereba caxumba
em mulher velha e menina
em homem brabo e criança
até injeção na bunda
e resolveu pôr um fim
comprando uma fazenda
onde aplicou sua renda
obtida na farmácia.
e o povo de liberdade
que já não tinha saúde
do zé e da sua ciência
acabou foi com saudade.

e dou a história por finda.


Antiga balança de farmácia (imagem em sp.olx.com.br).

---------- 
(Este poema foi composto em homenagem a José de Rezende Ferraz,
o saudoso Zé da Farmácia, "médico" de muitos de nós. Publicado originalmente em Gritos&Bochichos.)
  

10 de maio de 2016

RECUERDOS DE YPACARAÍ*


1. Em Duque de Caxias, na década de 60, um engraçadinho resolveu fazer a rifa de um porco para o Natal. A extração ocorreria na semana anterior, o que daria tempo a que o vencedor preparasse o suíno, com a arte necessária, para a ceia natalina.
Vendeu todos os bilhetes antecipadamente, e, no dia da extração, apareceu à sua porta um grandalhão mal-encarado com o bilhete agraciado no primeiro prêmio, condição básica para levar o capado.
O homem pegou o bilhete, conferiu e foi até o interior da casa. De lá voltou com um porquinho de cerâmica, desses tipo cofre de moedas, e entregou ao feliz vencedor.
Foi morto com uma peixeira bem na altura do coração, que é para não tentar fazer mais ninguém de bobo.

2. No município ao lado, Nova Iguaçu, em terreiro concorrido, o pai de santo sempre incorporava um tal Caboclo Mamadô, nas sessões de sexta-feira à noite. Como só mamasse os seios novinhos da menina de quinze anos, filha de um nordestino arretado, foi sangrado como um porco magro, com caboclo incorporado e tudo, e lá ficou estrebuchando, enquanto o carregador da peixeira tentava fugir, embora tenha sido contido pelos demais devotos de tão espiritual homem.
Na delegacia, explicou ao delegado que havia reparado que o pai de santo só mamava nos seios da sua filhinha, enquanto as muxibas das velhas expostas ao sacrifício santo ficavam intactas.

3. Na minha Carabuçu dos anos 50-60, circulava um cidadão que se dizia índio puri, alcunha por que era identificado. Falava atropeladamente e vivia da caridade pública, ganhando um dinheirinho aqui e ali, fazendo favores a uns e outros. Se não me falha a memória, ele se apresentava assim: “Pedro Pereira Puri, nascido em Capiun, criado em Capiun”. Capiun era o jeito esquisito de pronunciar Itaperuna. Pelo que sei, já não havia mais índios puris por Itaperuna.
Um dos favores que, de vez em quando se prestava a fazer, era comer uma barata viva diante de algumas mulheres que conversassem distraidamente na calçada. Ele chegava com a barata na mão fechada, cumprimentava as mulheres, abria a bocarra, jogava a nojenta lá dentro e dava umas mastigadas de boca aberta – a barata sendo esmigalhada por seus dentes –, para que fosse visto. Não é preciso dizer que a debandada era geral, com gritos e xingamentos ao Puri.
Depois do serviço feito, dirigia-se até o contratante e recebia, invariavelmente, uma nota de cinco cruzeiros, daquelas antigas, com o Barão do Rio Branco estampado em uma das faces.

Imagem em class.posot.com.br

4. Jacy sumiu de Carabuçu. Ele lá recebera o desonroso apelido de Vorta Égua. Na época, não se podia assim chamá-lo, sem que briga certa fosse armada. Contudo, pelas costas, era desta forma que era identificado, já que havia outros Jacys pela vila: Jacy Vorta Égua.
E a razão do apelido é ainda mais melancólica. Como na vila não houvesse a tal zona do meretrício – vila pequena, de gente recatada –, com certa frequência uns e outros lançavam mão da velha zoofilia, para atender “seus baixos instintos”, na fala do nosso capelão.
Certa noite, Jacy se dirige ao pasto próximo, pega aquela égua sua velha conhecida, leva-a até o barranco mais próximo e, quando está em ponto de bala para consumar o coito, a ingênua equina se afasta candidamente do local, o que motiva o desesperado Jacy a gritar no vão da noite estrelada de Carabuçu:
- Vorta, égua! Vorta, égua!
Dezenas de anos depois, vi-o a tomar cafezinho no extinto Monterey, na Rua Dom Manuel, próximo ao meu trabalho, e não lhe dirigi a palavra, porque ele falava mal de Leonel Brizola, político da minha admiração.

---------- 
* "Canción guarania con letra de Zulema de Mirkin y música de Demetrio Ortiz," (es.wikipedia.org)