28 de janeiro de 2015

SEM TEMPO


Se houver tempo
Te ligo
Te telefono
Ou mando um recado eletrônico
Agora estou ocupado com o que me consome

Aqui mesmo em frente
Como há bilhões de anos
O oceano bate insone
Me convidando para um banho reconfortante
Mas o ignoro

Tenho vivido sem planos
O mais que tenho são sonhos
Que ficam pendentes
E se desfazem tão logo acordo
Como agora

Apenas ponho o ponto final neste poema
E pego o ônibus para ir-me embora

Atracadouro em Jurujuba (foto do autor).

20 de janeiro de 2015

A CAPELA MORTUÁRIA


Carabuçu carecia de uma capela mortuária, a fim de que o igualitarismo chegasse à morte. Por diversas vezes, houve problemas no velório de um e outro falecido, em virtude de sua crença religiosa – ou seu ateísmo – e a disponibilidade nas igrejas locais, normalmente cenário desse tipo de cerimônia. É bem verdade que, na vila, era muito comum que se velassem os mortos em suas próprias casas, já que quase todos os habitantes se conhecem e são camaradas. Isto também facilitava à família do defunto o preparo dos quitutes apropriados para a ocasião, pois o fogão estava logo ali na cozinha, contígua à sala onde o morto descansava sobreterrestremente pela derradeira vez.
Um dos fatos que determinou meu primo Délbio Azevedo a encabeçar movimento reivindicatório foi o velório de nosso tio José Catarina, o Cate, que não encontrou abrigo na antiga capela local e foi acolhido na Igreja Presbiteriana, que ele jamais frequentou em vida. Como aliás todas as demais da vila, do Rio de Janeiro, onde morou por décadas, e do Brasil, de onde também nunca se ausentou por qualquer motivo.
Depois de alguma gestão junto à prefeitura, o chefe do executivo de Bom Jesus do Itabapoana na ocasião, nosso conterrâneo e amigo de infância Paulo Portugal, atendeu os reclamos da população e mandou construir à entrada do pequeno cemitério local a sonhada capela mortuária. Para tanto, incumbiu Délbio de gerenciar a obra, zelando para que o dinheiro público fosse usado da melhor forma possível.
Ao final de algum tempo, lá estava a capela estalando de nova. Délbio, o maior festeiro que conheço, resolveu, então, bancar uma festa de inauguração antecipada apenas para os operários que trabalharam na obra. Para tanto, instalou a parafernália sonora de que dispõe para fazer todos os tipos de comemorações da vila, comprou do próprio bolso material para fazer cachorro-quente e bebidas – cachaça e cerveja –, a fim de mostrar seu reconhecimento àqueles homens simples, que o atenderam com paciência durante os trabalhos.
A festa rolava solta, com alguns jogos que ele criou – comprou um troféu também para agraciar o primeiro colocado –, o som animado, a rapaziada se divertindo a valer. Nesse instante, para diante daquela nova construção, localizada na Rua Coronel Antônio Olímpio de Figueiredo, o nosso bisavô, um jovem homem com seu carro reluzente, placa de Apiacá, cidade próxima, já no estado do Espírito Santo. Muito surpreso, quis saber o rapaz o que estava ocorrendo. Délbio explicou que era uma festa reservada apenas para os operários da obra, mas que o local seria oficialmente inaugurado no próximo sábado.
Animado com a perspectiva de uma nova casa de diversão – bar ou coisa assemelhada –, o jovem se mostrou interessado e disse que certamente voltaria. No entanto, para garantir, perguntou:
- Vai ser um bar?
Délbio, que não fica triste nem em velório, disse cheio de dentes:
- Não, amigo! Aqui vai ser a nova capela mortuária de Carabuçu.
O apiacaense, apavorado, engatou a primeira marcha do carro e disse, com cara de acompanhar defunto:
- É ruim de eu aparecer aqui!
E de nada adiantou Délbio tentar dar um panorama da cerimônia: discursos, coquetel, canapés e música sacra e erudita, inclusive a Marcha Fúnebre, de Chopin.
O motorista só não fez o possante cantar pneu, porque em Carabuçu isso não é de bom tom.

20140509
Cemitério de Carabuçua (foto do autor).

13 de janeiro de 2015

POEMA DE INVERNO


O frio entra pela greta da porta
(no meu idioleto fresta é palavra de poeta)
E traz o ar gelado lá de fora

Aqui dentro é hora de um conhaque potente
Para espantar o frio que está na alma
Enquanto tecemos conversas sem ponto

Pode ser que solucionemos nossas dores
Antes do fim do trago
Não importa

Por isso é que durante o frio
Se não saio para a rua
A experimentar o ar gelado que do mar aporta
É porque estou cogitando de coisas
Que no calor nunca me ocorrem

Mas não vedo a porta
É preciso estar assim disposto a tal incômodo
Que um gole de conhaque reconforta


Artland Glasbild, Cigar and cognac (em otto.de
------
Nota: Este poema já estava pronto há alguns meses. Publico-o agora, em pleno verão, sem querer ser irônico, Quando lemos um livro, a datação da história não importa muito ao momento da leitura.



4 de janeiro de 2015

PRESENTE


Quando eu ficar velho (Ainda não estou?)
Não me deem meias
Não usarei mais sapatos fechados
E já estarei com a vista fraca para o que não for inteiro.
Me deem sonhos
Não os de padaria
Estarei com a glicose descontrolada
E talvez terei perdido a esperança no futuro.
Não me deem passagens para lugares distantes
Me deem livros
Que poderei viajar sem sobressaltos
Recostado no travesseiro no meu quarto.
Não me deem sustos
O coração poderá ter seus distúrbios
E não mais trabalhar direito.
Contudo
Poderão continuar a me dar música
Que prometo não ficar surdo. 

Imagem em minastenisclube.com.br.