9 de agosto de 2011

CENA DE BAR (década de 70)

um bêbado bebe batida no bar
tira-gosto de torresmo.
a viúva alvissareira revira os olhos
ao encontro da pilha de cigarros
na ânsia de alguns tragos:
um minister um astoria um liberty ovais.
na gaveta improvisada da suposta registradora
o balconista manuseia o troco de um traçado
pensando no café pingado que o doutor pediu.
 o bêbado baba um gosma pegajosa
rente ao balcão
(J. Cristino, Botequim, ca.1860, em purl.pt)
com um arroto.
emplastrados de banha
os óculos da cozinheira
percebem entre brumas
o sorriso lasso do paraíba
que devora média-pão-com-manteiga
àquela mesma hora da noite
das noites anteriores
e assim por todo o sempre.



Um comentário:

  1. Não existe melhor lugar para se escrever do que num pé-sujo.

    ResponderExcluir