14 de janeiro de 2011

CONSELHO DE MÃE



Imagem colhida em colunistas.ig.com.br.

Botou a minissaia mais bonita, ou melhor, a que lhe deixava as pernas mais bonitas, penteou-se com esmero, maquiou-se com perfeição, calçou as botas mais brancas e foi para a entrevista no novo emprego.
Não arranjou emprego, arranjou uma paixão fulminante que não a deixou mais sossegada. Teria o que quisesse: bom salário, regalias, prêmios, gratificações, incentivos, patrocínio de cursos, viagens a congressos e encontros, o diabo a quatro.
Melhor não tivesse deixado lá seu currículo com telefone, endereço, data de nascimento, estado civil. Queria somente um emprego. As pernas, o corpo, o rosto, a elegância eram apenas para conseguir um emprego. Não queria coroa atrás de si, chorando solidões, prometendo mundos e fundos, pegando-lhe no pé. Bem feito, quem me mandou exagerar no charme, pensava ela. No fundo, no fundo, uma grande vaidade por aquela paixão definitiva.
O cara, aquele coroa, não parava de lhe telefonar. A mãe até já reconhecia a voz dele, tinha ficado íntima pelo telefone e, ainda por cima, andava servindo de advogada para ele.
Uma boba, essa minha filha! Ah, se fosse no meu tempo! Deitava na sopa! Veja só o que eu fui arranjar, casando com seu pai e aquele empreguinho mixuruca dele. Veja só o exemplo de casa, sua burra! É tudo chorado, tudo minguado! Nem vida boa, conforto, dinheiro, pudemos te dar! E você enjeitando isso. Vai ver, acaba até casando com ele. É só saber trabalhar o coroa. Nem tão velho assim parece ao telefone. Só quarenta e cinco anos?! Bobagem, sua tola! Pense só no vidão que você pode ter! Vai sair dessa vidinha de bosta que nós levamos. Não vá me dizer que pensa em se casar com o Carlinhos, aquele quebrado que não tem nem onde cair morto? Vá ser burra assim lá longe! Não vá dizer por aí que é minha filha, depois dessa, hem! E você nem precisa, se não quiser, desmanchar com o besta do Carlinhos. Dá pra ficar com os dois. Com ele, a miséria, isto é, a continuação da miséria; com o coroa, a boa vida, sua idiota! Veja se aprende! Ah, se fosse no meu tempo! Nem pensava duas vezes! E olha que eu não era de se jogar fora, não, hem! Mas naquela época isso era coisa feia, a moça ficava falada. Hoje fica falada se fizer a burrice que você tá fazendo. Veja lá, hem!
A garota pensou lá com seus mamilos e aceitou tudo o que o coroa propôs. Desde emprego com salário gordo, até fim de semana em Búzios. Desde sociedade na firma, até no seu casamento com o Carlinhos, que, aliás, tem passado bons momentos, a vida tem melhorado muito, a firma da mulher vai de vento em popa. Eu disse de vento em popa? Desculpe, foi ato falho!

2 comentários:

  1. Olha, se eu ainda tinha dúvidas foram todas dissipadas: na próxima encarnação quero voltar mulher.

    ResponderExcluir