24 de junho de 2011

NOITE DE SÃO JOÃO


Guignard, Noite de São João, 1961.
Acervo do Museu de Arte da Pampulha
 


há balões no ar
e peso nos corações das gentes.
não serão os versos malditos
que me tirarão do caminho.
bem sei que a estrada inexiste
como a pedra é nada.
ando em círculos e não pergunto
cur quomodo qui prodest.
exijo pouco
e rumino a vida devagarzinho.

2 comentários:

  1. A estrada existe sim, Saint-Clair, e tu a pavimentas quando refletes deste modo incisivo.

    ResponderExcluir