16 de fevereiro de 2011

É TARDE


Moonlight, foto de Sheila Machado, em flickr.com.

É tarde
A noite anda à deriva dos meus sonhos
A cidade dorme e eu insone
Vou ponteando com os olhos baços
Figuras hirtas de concreto e bruma

Nada a fazer
A não ser aguardar a consumação dos séculos
A validação dos mitos
A cavalgada horrenda das bestas do apocalipse
... Ou que a manhã desponte
E inicie um novo dia radiante
Como se nada houvesse acontecido antes

(Agradeço a Sheila Machado a autorização para uso de sua foto acima.)

2 comentários:

  1. Há que ter sempre esperança no amanhã!
    Bonito poema!
    Abç,
    Alfredo Moreirinhas

    ResponderExcluir