11 de outubro de 2010

NENA E ANQUIMAR

Nena e Anquimar trabalhavam no velho caminhão Chevrolet Gigante da fábrica de manteiga de Libelton Boechat. Anquimar, o motorista; Nena, o ajudante, incumbido de tirar e colocar latões de leite na carroceria. Anquimar tinha o olho esquerdo desviado mais para a esquerda, estufado, inconfiável para golpes de vista. Nena era fanho, gago, completamente caolho, cabeça achatada na testa, dentição irregular, queixo embutido, meio pancado das ideias.

Viviam lá os dois às voltas com o trabalho. Enquanto Nena carregava e descarregava o caminhão, Anquimar ficava cofiando a bigodeira preta, logo abaixo do olho esquisito e de uma pinta escura na bochecha. Nena trabalhava e cantava músicas que até hoje os ouvidos ainda não conseguiram decifrar. Enfim, cantava.

Determinada manhã, após a coleta do leite pelas fazendas e sítios próximos, o velho Chevrolet Gigante adentra o pátio da fábrica para a descarga dos latões. Nena, sobre a alta calçada na mesma linha da carroceria, fanhosamente orienta a manobra de marcha a ré de Anquimar:

- Vem, vem mais; pode vim; vem mais que dá! Vem!

Até que o caminhão bate na calçada.

Anquimar, furioso, sai da boleia e repreende o ajudante, aos gritos:

- Isso é modo de guiar a gente, Nena? Tá vendo: o caminhão bateu!

Nena, no seu quase inocente juízo avariado, argumenta cheio de razão:

- Quem manda ocê ser caolho?


2 comentários:

  1. Belo ilustração do ditado: "o rôto falando do esfarrapado".

    ResponderExcluir
  2. Ha..ha..ha...comecei a rir no primeiro parágrafo, só de imaginar a merda que estava por vir, e não parei até agora...hi..hi...hi...

    ResponderExcluir