22 de julho de 2013

MARINHAS

(Publicado originalmente em Gritos&Bochichos em  20/4/2010.)

MARINHA I 
na baía um barco brinca sobre as ondas calmas
na luz difusa das tardes acinzentadas.
ao fundo o pão de açúcar e um monte
de ilusões perdidas na cidade. 

MARINHA II 
chove forte sobre a baía vasta
manchada de barro pelas enxurradas.
o horizonte perde-se na neblina
e os olhos liquescem-se copiosos
num velha receita de saudade
dos amores que buscaram entre nuvens e vagas
um jeito estranho de se perderem. 

MARINHA III 
sempiternamente
o mar vem chorar suas mágoas
na extensão de areia
que os banhistas julgam ser
a última passarela dos prazeres. 

MARINHA IV 
um dia vou mergulhar nas águas oceânicas
para ver se encontro
nosso sonho irrealizado de atlântida. 

MARINHA V - NITERÓI 
do outro lado da baía está
o outro lado da baía.
se não há outra diferença
esta no entanto persiste:  
sempre é o outro lado da baía.


Baía de Guanabara, a partir de Icaraí (foto do autor em flickr.com/photos/saint-clairmello).

Nenhum comentário:

Postar um comentário